SPFC está tropeçando no próprio ego

A derrota para Corinthians na última quarta-feira fez com que o “exemplo” São Paulo Futebol Clube sucumbisse a máxima do futebol, eligisse seu técnico, Ney Franco, como bode expiatório e o demitisse.

É claro que o Ney não caiu pela derrota para o Timão, se esse fosse o principal motivo a diretoria capitaneada por Juvenal Juvêncio esperaria mais uns dias e um novo revés para demiti-lo. Além disso, a derrota deste domingo para o Santos provou que o buraco é mais “embaixo”.

Ney caiu por proferir “Eu não entro em campo para chutar a bola, dar passe”, na coletiva no pós-jogo, já na madrugada de quinta-feira. A declaração, por mais verdadeira que fosse, caiu mal, muito mal, até porque ele não vai à imprensa dizer que o “passe de calcanhar” para o gol ou “levantamento perfeito de mais de 10 metros” também não foram feitos por ele.

A imprensa “caiu matando”. A torcida, que já havia o elegido vilão da temporada – com certa razão, há que se dizer, queria o técnico da arquibancada (você pode imaginar o porquê). A diretoria abafou ao sumir do Morumbi, até porque tenho certeza de que foi repassado a diretoria os principais pontos da coletiva por meio da competente equipe de comunicação do São Paulo.

Nenhum dos três fatores (da repercussão) foi tão preponderante para a queda de Ney Franco, algo que pesou muito para dar respaldo a decisão da diretoria foi o pedido de um jogador líder do elenco, não me deram o nome, que pediu a saída do Ney por “ter tornado insustentável a convivência junto ao grupo”, de acordo com as palavras deste líder.

O que conseguir saber é que, como já desconfiava, o pedido não foi feito por Rogério Ceni. O camisa ’01’ foi o primeiro a ter um desentendimento com o treinador, mas os dois se resolveram na época mesmo e Ceni teria dito a Ney que “estava com ele, pois iam lutar pelo São Paulo”.

As arquibancadas pedem por “Muricy Ramalho” desde a sua demissão. O primeiro jogo que o tricampeão brasileiro fez no Morumbi pelo Palmeiras foi uma das coisas mais impressionantes que eu vi e ouvi na vida. O grito de “É Muricy!” entoado nas arquibancadas do Cícero Pompeu de Toledo fazia qualquer um tremer dos pés a cabeça.

Aqui é trabalho meu, filho!

Aqui é trabalho meu, filho!

Pois bem, por toda a história e identificação Muricy é e sempre será sombra a qualquer treinador que passar pelo São Paulo. Ainda mais em um cenário em que ele está disponível no mercado.

Era juntar a fome com a vontade de comer, certo?!

Errado.

Nada é mais importante no meio do futebol do que o “eu” (posso falar sobre isso depois). Ainda mais no atual São Paulo Futebol Clube.

Com um comandante centralizador como Juvenal Juvêncio, o SPFC é um local onde ele decide, ele contrata, ele demite e se o treinador bobear, ele escala. Entretanto, desde o meio da temporada passada JuJu tem ouvido cada vez mais seus pares (E eu as vezes me preocupo com isso). O presidente tem dado “importância” a voz das arquibancadas não é de hoje, foi por isso que ele mandou embora do Ricardo Gomes – um treinador que escalava o time de um jeito que eu não gostava, mas que estava dando uma cara ao time e foi demitido na hora errada.

Infelizmente para uns, felizmente para outros, desta vez as arquibancadas do Morumbi não serão ouvidas. Muricy não está em pauta, pelo menos na mão dos atuais diretores, já que muitos dos conselheiros têm pressionado pelo retorno dele.

Juvenal, como é de se pensar, não barrou o nome de Muricy Ramalho como fez com Wanderley Luxemburgo. No entanto, JuJu não foi autoritário ao extremo de requerer o contato com Marcio Rivellino (empresário de Muricy), como na época da demissão de Ramalho, o presidente tricolor pensou e ouviu seus pares.

Um dos empecilhos para o retorno do técnico ao time é Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco. O dirigente é o principal pré-candidato da situação no São Paulo para se candidatar a presidência para a votação de abril de 2014. A contratação de Muricy implicaria em Leco ter que aturar o treinador pelo menos até algum vacilo muito grande do time em 2014, o que pode não ocorrer no primeiro semestre.

Leco foi o principal agente da demissão de Muricy em 2008. O dirigente, que viveu intensas discussões com o treinador, ajudou a minar a confiança do conselho no treinador, todos pressionaram a presidência, Juvenal Juvêncio, que não suportou uma segunda eliminação na Taça Libertadores da América e o demitiu.

Leco não está sozinho, alguns conselheiros e pré-candidatos da chapa da situação são contra a contratação. Até porque, com Muricy no comando do elenco, Ceni como capitão e  perfis profissionais como o de Jadson, Paulo Henrique Ganso e Lúcio dão força ao nome de Marco Aurélio Cunha, ex-dirigente de futebol, junto aos conselheiros que vão eleger o futuro presidente.

Não é informação, mas sim feeling, acho que Adalberto Batista também não simpatiza muito como o nome de Muricy. Ele sabe que com ele no comando, a voz do atual diretor de futebol ficaria mais branda do que o normal no dia a dia. Iria acabar as bajulações e mão na cabeça de certas estrelas. Muricy não vai escalar meninos com meninos reserva (ex: um lateral jovem com outro menino da base no banco) ele vai pedir jogador e vai fazer contratar (não em relação a nome, lógico). Se precisar, como treinador Muricy vai colocar medalhão do time no banco (como fez com Léo no Santos) e aí os protegidos de Batista vão precisar de uma proteção pública (no clube) o que pode rachar elenco e/ou clube.

A soberania do ego, do “eu posso, eu mando, eu desmando, eu faço, eu conquistei”, etc, pode derrubar de vez o São Paulo, que vem tropeçando no próprio ego há anos. Normalmente, o tricolor tropeça no ego de outrem que falar pelo “nós”. O que é um perigo.

Paulo Autuori vem aí, está perto. Pelo perfil pessoal, profissional e pelo atual cenário do Vasco. Paulo é vitorioso pelo São Paulo, acalmaria a torcida e precisaria de um grande revés, tipo uma queda no inicio da Sulamericana ou péssima campanha no Brasileirão, para cair antes das eleições de 2014.

O treinador ainda não foi contactado. Ninguém foi. Mas Luxa não será, Juvenal não quer.

Update: Rodrigo Bueno do canal Fox Sports disse que o nome de Autuori pode ser anunciado nesta segunda-feira. Eu não tenho essa informação.

Update 2: João Paulo de Jesus Lopes aprova o nome de Muricy Ramalho. Pra mim está perdendo voz… o que também é ruim;

Anúncios