O rival espanhol é outro no Brasil

Desde a primeira rodada da Copa das Confederações parte da imprensa brasileira tem estado no dia a dia de cada uma das oito seleções que participaram da competição. Além da brasileira, o selecionado espanhol é o que mais chama a atenção.

A estreia em Recife, no Pernambuco, não diminuiu o assédio a ‘Roja’, na verdade a presença do time espanhol colocou muitos fãs de futebol e pessoas que querem aparecer na porta do hotel ou em lugares próximos. Os passos dos jogadores foram seguidos à distância, já que a equipe de segurança da Real Federação Espanhola de Futebol , a RFEF, criou uma redoma praticamente intransponível.

O acesso foi totalmente controlado. No primeiro dia os jornalistas foram “expulsos” do hotel onde a delegação espanhola estava. Permaneceram alguns poucos,  os que haviam conseguido hospedagem no mesmo local. A partir daí parecia que a seleção queria privacidade ou…

O ponto de dúvida foi sanado por uma confraternização acompanhada de pagode, após a vitória sobre o Uruguai.

Vou abrir um parênteses: Eu não entendo essa necessidade de estar no Brasil, jogar futebol e ouvir pagode – sinceridades.

Alguns registros foram feitos pelo jornalista Daniel Gomes do portal GloboEsporte.com. Antes da reportagem dele ser publicada, falou-se de um churrasco e publicou-se, na imprensa brasileira, uma foto de Pedro olhando “pra cima” ao lado de Cesc Fábregas na direção do fotógrafo. A imagem sumiu (eu já procurei muito), pois não explicava nada.

Daniel registrou um vídeo e contou o que viu de outro prédio. A federação espanhola não gostou e já enfrentava internamente a contradição de que havia ocorrido os casos de furto na mesma noite.

Obviamente a informação do furto vazou. O que irritou ainda mais pessoas da RFEF, que negou por meio de nota oficial.

O site GloboEsporte.com trouxe nesta segunda-feira a informação que após a celebração da vitória contra o Uruguai os espanhóis jogaram strip-poker com cinco garotas de programas. O que fez a polícia pernambucana abrir um inquérito sobre o caso.

A informação foi novamente refutada pela Federação, novamente por meio de nota oficial. E aproveitando o envolvimento da polícia, a RFEF deve entrar com uma ação contra a equipe de reportagem do portal brasileiro. Informação cravada pelo Mundo Deportivo.

Consegui apurar que o argumento usado seria ‘invasão de privacidade’ em relação as imagens feitas do “pagodão espanhol”. O argumento cabe,  já que o espaço era particular e foi filmado de cima de outro prédio vizinho. Entretanto, a segunda ação seria por falsa informação  (ainda sendo estudada), pois o repórter diz que tem fontes.

Particularmente acho que ele não seria louco de publicar esse tipo de coisa se não tivesse fontes confiáveis.

A RFEF estaria escondendo o informe do furto, segundo pessoas a mim não tão confiáveis, porque entre os ‘assanhados’ estariam um jogador e um membro da comissão técnica casados. Não tenho os nomes.

Os espanhóis estariam com um novo problema, pois vazou a informação de um jogador não-identificado (não reconhecido pelos seguranças do hotel em Fortaleza) teria tentado entrar no hotel com 10 garotas de programa. Por conta do ocorrido em Recife, a equipe do hotel em Fortaleza não autorizou a subida.

Isso me soa estranho, pois há muitos jornalistas espanhóis no mesmo hotel da Roja em Fortaleza.

Depois dos problemas com jornalistas na chegada do hotel em Recife, na primeira coletiva de imprensa onde o assunto favorito dos colegas era “Neymar”, o que de fato incomodou a assessora de imprensa espanhola, sua equipe e os jogadores (Victor Valdés esteve nitidamente incomodado). A imprensa brasileira parece ser vista como inimiga da seleção espanhola.

Só para entender: Juan Mata fez um ensaio fotográfico para um veículo espanhol e concedeu exclusiva para um veículo inglês, mesmo estando “totalmente concentrado e isolado”. Sérgio Ramos falou com um jornalista italiano, dentre outras coisas sobre Edinson Cavani – um assunto que em nada se relaciona com a atual competição. Além disso, Fernando Torres deve conceder uma exclusiva para imprensa inglesa hoje e Casillas deve falar a tv espanhola, não a telecinco, onde sua esposa trabalha.

A restrição é total a jornalistas brasileiro, que estariam “a caça de confusão”.

A se pensar…

Anúncios